O lixo e a expectativa de definições

Professor Resíduo
05:00:PM - 26/May/2017
O lixo e a expectativa de definições

26/05/2017 | 17h00

A Prefeitura de Araçatuba acaba de conseguir junto à Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) a renovação de licença de operação do aterro sanitário existente no bairro Cafezópolis. A destinação dos resíduos sólidos coletados na cidade pode ter o local como endereço pelo menos até 31 de julho. 

Enquanto isso, o município tentará a ampliação do empreendimento. Processo para a obtenção de licenciamento com essa finalidade já se encontra em andamento. Entretanto, a estatal informa que a documentação apresentada pela administração municipal ainda se encontra incompleta.

Os “poréns” não param por aí. A ideia de ampliar o aterro esbarra em parecer da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), segundo o qual a expansão do espaço traria riscos de acidentes. Isso por causa da proximidade com o aeroporto Dario Guarita — a distância é de pouco mais de seis quilômetros. O órgão federal teme, então, que um eventual crescimento possa trazer a possibilidade de choques entre aviões e aves que normalmente circulam por áreas destinadas ao lixo.

É preciso, dessa forma, que a gestão do prefeito Dilador Borges (PSDB) tenha um plano de longo prazo para a destinação do lixo, sem que medidas eventualmente tomadas deem brechas para questionamentos em órgãos fiscalizadores e de meio ambiente. Pois, se isso acontecer, quem perde é o município.
Vale lembrar, nesse contexto, que o atual gestor foi eleito apoiado por grupo de representantes de diferentes segmentos da sociedade que, por pelo menos dois anos, acostumou-se a fazer manifestações contra a criação de um novo aterro, proposto por grupo empresarial na zona rural. Uma vitória já foi conseguida, considerando-se o fato de a localidade ser uma importante região produtora de alimentos: a Justiça embargou, por meio de liminar, a construção de qualquer aterro naquela região da cidade. O mérito da ação que pede a proibição, movida pelo Ministério Público, ainda será julgado.
Portanto, a definição de uma área concreta para o despejo do lixo é preocupação intrinsecamente ligada à logística, infraestrutura e ao meio ambiente em Araçatuba. 
Hoje, a cidade, que possui quase 200 mil habitantes, tem recebido novas empresas, empreendimentos imobiliários e universidades, o que, automaticamente, aumenta o consumo e a produção de lixo. A política ambiental precisa acompanhar essa evolução. Caso contrário, o crescimento do município será acompanhado pelo acúmulo de sujeira por diversos cantos, contribuindo para uma situação de desordem urbana.