Segundo Prefeitura, Mogi das Cruzes atinge 6% de resíduos reciclados em quatro anos

Professor Resíduo
11:00:AM - 17/Jun/2017
Segundo Prefeitura, Mogi das Cruzes atinge 6% de resíduos reciclados em quatro anos
(Foto: Reprodução/TV Diário)

Ecopontos em Mogi ajudam na reciclagem de resíduos

17/06/2017 | 11h00

Em 2013, apenas 0,5% dos resíduos eram reciclados. Reciclagem vai ganhar reforço de novo ecoponto em Jundiapeba

Em quatro anos, Mogi das Cruzes passou de 0,5% dos resíduos reciclados para 6%, segundo a Prefeitura. Ainda neste mês, a cidade deve ganhar o terceiro Ecoponto, no distrito de Jundiapeba.

O número demonstra que a educação e a consciência ambiental estão crescendo na população da cidade. “Começamos em 2013, com 0,5% dos resíduos reciclados na cidade e hoje são reciclados 6%. Isso auxilia porque diminui a quantidade de resíduos que vai para o aterro sanitário e causa um impacto financeiro positivo para a cidade, pois gasta-se menos com o deslocamento desses resíduos. Também temos um impacto ambiental menor. É uma política pública que envolve a parte social, ambiental e econômica. Isso gera renda direta ou indireta para o município”, explica o secretário municipal de Verde e Meio Ambiente, Daniel Teixeira de Lima.

Para o secretário, as ações do Recicla Mogi possibilitaram essa evolução. Entre as ferramentas usadas pela administração para a reciclagem estão a coleta seletiva e os Ecopontos. “O salto que demos é gigantesco. A cidade de São Paulo não recicla 2% do seu lixo e já chegamos a 6% em quatro anos. A meta dessa administração é ampliar isso e chegarmos em 20%, que é uma meta de Europa.”

Mogi das Cruzes foi dividida em regiões, cada uma com dias e horários específicos para a passagem do caminhão do programa. Já os Ecopontos estão localizados em dois pontos da cidade: Parque Olímpico e Jardim Armênia.
No final de junho, o distrito de Jundiapeba vai ganhar um Ecoponto. “Escolhemos o distrito porque ele tem uma grande população. E também porque a coleta de sólidos no distrito é algo em torno de 70 toneladas/dia, uma das maiores da cidade.”

Lima destaca que a diferença desta unidade para as outras é que ela será mais compacta e também não receberá materiais recicláveis. “Jundiapeba conta com a coleta seletiva e tem também o catranqueira. A unidade vai receber apenas resíduos de construção civil, resíduos de poda, eletrônicos, lâmpadas, pilhas e baterias.”

O ecoponto de Jundiapeba vai funcionar em dois terrenos de 400 metros cada um, um de frente para o outro. De acordo com o secretário, esse modelo deve ser implantado em outros pontos da cidade, pois é difícil encontrar terrenos grandes pertencentes ao município.

Os ecopontos do Parque Olímpico e do Jardim Armênia funcionam desde 2013. Segundo a Secretaria de Verde e Meio Ambiente em janeiro deste ano, cada pontos recebeu 170 toneladas de material e, em maio, este número chegou a 350 toneladas.

Os locais funcionam de segunda-feira a domingo e também aos feriados. No Parque Olímpico, a Prefeitura mudou o modelo de gestão da unidade por conta de dois incêndios no início deste ano. “Agora é a Catasampa que faz a gestão. Também não deixamos acumular reciclados no local. Eles são retirados diariamente. Os resíduos de construção civil são retirados de duas a três vezes por semana e os de poda uma vez por semana.”

Para reduzir os frequentes problemas no Ecoponto do Parque Olímpico, a secretaria adotou ainda outras ações. Outra medida foi envolver os catadores de reciclável, que invadiam o ecoponto do Parque Olímpico, no trabalho feito no local. De acordo com o secretário, a Catasampa envolveu esses profissionais na triagem e também no recebimento do material.

O secretário afirma que houve também o aumento da capacidade de triagem de material. “A triagem em janeiro era 6% e hoje é de 8%. A triagem é feita no Ecoponto."