Lixo eletrônico vira obra de arte

Professor Resíduo
01:00:PM - 14/Dec/2017
Lixo eletrônico vira obra de arte
Divulgação

14/12/2017 | 13h00

Quando qualquer equipamento eletrônico quebra, a maioria vai parar no lixo comum ou, pior, na calçada. No entanto, esse tipo de resíduo, que pode ser tóxico, tem ainda grande utilidade para a indústria e, agora, para a arte. Com o lixo eletrônico da Coopermiti, o artista plástico Marcos Sachs transformou “sucata” em obra de arte.

Os componentes eletrônicos encontrados na cooperativa de reciclagem se transformaram em esculturas, painéis e no retrato do escritor francês Michel Houellebecq. “Acredito que a arte seja uma ferramenta especialmente útil na conscientização de várias causas de maior importância, como é a da reciclagem”, afirma o artista.

O descarte regular do lixo eletrônico ainda é um tema pouco explorado e ensinado à população, mas de extrema relevância. Estes equipamentos podem liberar materiais como mercúrio, cádmio, cobre, que, caso dispostos em aterros não licenciados e controlados, podem contaminar o solo e atingir o lençol freático, causando grande impacto ao meio ambiente e ao ser humano.

Sobre a escolha desses materiais para construir o trabalho, Sachs afirma que foi levado pela curiosidade. “Queria substituir a tinta tradicional por objetos coloridos. Algo intermediário, entre pintura e instalação. Sem contar que a arte feita com material descartado é mais acessível a todos que quiserem usar um pouco da criatividade”, comenta o artista.

Para quem deseja colaborar com o trabalho da Coopermiti, o serviço é gratuito. No site da cooperativa de reciclagem, além dos endereços de todos os postos, é possível encontrar conteúdo educacional sobre a importância do descarte regular de resíduos eletrônicos. A empresa ainda realiza excursões para escolas e visitas guiadas que podem ser agendadas.