Cuiabá terá lixeiras subterrâneas e coleta fluvial em pontos estratégicos

Professor Resíduo
02:00:PM - 14/Dec/2017
Cuiabá terá lixeiras subterrâneas e coleta fluvial em pontos estratégicos
www.folhamax.com.br

14/12/2017 | 14h00

A Prefeitura de Cuiabá deve lançar entre o fim deste mês e o início de janeiro de 2018, o edital de licitação para contratação da empresa que fará a coleta de lixo na capital. No projeto estão previstos o recolhimento de lixo fluvial, no Rio Cuiabá, e a instalação de 50 conjuntos de lixeiras subterrâneas em pontos estratégicos da região central.

“Vamos lançar o novo edital no final de dezembro ou no mais tardar em janeiro e, portanto, entre fevereiro e março nós teremos uma nova empresa operando na coleta de lixo”, informou o secretário de Serviços Urbanos. A capital produz aproximadamente 600 toneladas de resíduos diariamente.

A instalação está prevista para o decorrer do próximo ano. “As lixeiras subterrâneas, por exemplo, serão 50 por ano, podendo chegar a 100 porque terá a de lixo reciclável e não reciclável. Então, na verdade elas são duplas. São 50 conjuntos que irão impactar diretamente na melhoria da coleta e na inclusão social dos catadores”, informou.

O secretário explica que para a instalação dos recipientes subterrâneos serão necessárias obras de engenharia, cavar os buracos e colocação dos containers. “Ainda não podemos mensurar com exatidão por que ainda não foi licitado, mas vai ter um custo que varia de R$ 90 mil a 120 mil por conjunto. Isso multiplicado, dará um investimento em torno de R$ 5 milhões, mas vale ressaltar que esses resíduos, que iam para o aterro e não mais irão por que serão reciclados, teremos um ganho é imensurável”, destacou o secretário.

Atualmente, conforme o secretário, a capital conta com 20 bairros, onde já é feita a coleta seletiva, o restante vai para o aterro sanitário, onde é aterrado. Com as lixeiras subterrâneas, o cidadão já irá depositar o lixo de forma separada. “O material também será doado para uma das quatro cooperativas distribuídas por Cuiabá e que nós fortalecemos. Assim, a gente gera emprego e renda à essas pessoas, que por vezes, são marginalizadas ao mesmo tempo melhora o meio ambiente e desonera o aterro sanitário desse resíduo”, pontou. O recipiente subterrâneo também irá evitar que andarilhos ou animais mexam e esparramem lixo pelo chão.

Já a coleta fluvial será realizada com o objetivo de limpar o Rio Cuiabá. A ideia, segundo o secretário, é que seja feita coletas periódicas do lixo às margens ou leito do rio. “Se você for hoje na Baia de Chacororé vai verificar que alguns locais os barcos sequer conseguem passar devido uma crosta com mais de metro de lixo, que vai de Cuiabá e Várzea Grande para lá”, comentou. A baia está localizada entre o Distrito de Mimoso e o município de Barão de Melgaço, no pantanal mato-grossense.

"Com a coleta fluvial, a expectativa é que haja uma diminuição de até 70% desse resíduo, que chega ao Pantanal comprometendo sobremaneira a sustentabilidade do nosso Pantanal, que é a maior riqueza do Estado de Mato Grosso”, destacou.

A empresa ganhadora da licitação terá que fornecer os materiais ou equipamentos apropriados para a limpeza ao longo do Rio Cuiabá. “Esse é um item de avanço também nesta nova licitação e vamos ter isso como uma bandeira ambiental e de prática diferenciada em Mato Grosso”, frisou.

O valor do contrato ainda não está definido. Mas, com as novidades previstas, a estimativa é que fique em torno de R$ 2,5 milhões por mês. Hoje, são gastos R$ 2,2 milhões com a coleta. “Vai ter o salto em torno de R$ 300 mil por mês, porém, com todos esses ganhos ambientais. O prefeito nos determinou que valorizemos essa questão da sustentabilidade e essas duas medidas que parecem simples interferem de forma muito direta na qualidade de vida do povo cuiabano”, completou.