Protestos contra aterros sanitários tomam Moscou

Professor Resíduo
02:30:PM - 18/Apr/2018
Protestos contra aterros sanitários tomam Moscou
(Foto: Pixabay)

Historicamente, as questões ecológicas têm o poder de desencadear grandes conflitos

18/04/2018| 14h30

Os danos ambientais e à saúde causados por aterros sanitários em condições inadequadas de manutenção provocam protestos na região de Moscou

O cheiro repugnante da mistura de enxofre, matéria orgânica em decomposição e metano vindo do aterro sanitário de Yadrovo, que se espalhou pela pacata cidade de Volokolamsk a oeste de Moscou, ficou insuportável. Em março, por causa do ar poluído, cerca de 50 crianças foram internadas no hospital com doenças respiratórias e erupções cutâneas, o que provocou enormes protestos nas ruas. No final do mês, os moradores agrediram o diretor da delegacia de polícia. Uma menina de 10 anos, com um chapéu cor-de-rosa, tornou-se o símbolo do movimento depois de fazer um gesto de cortar a garganta em direção ao governador regional, Andrei Vorobyov.

Enquanto as autoridades tentavam eliminar o cheiro e limpar o local, as manifestações espalharam-se por diversas áreas na região de Moscou nas últimas semanas. Os moradores culparam as autoridades locais, como o prefeito e o governador Vorobyov, pela falta de condições sanitárias adequadas. Os protestos, dizem, são apolíticos. “Que política?”, disse Valery Karpinsky, que se autointitula uma “monarquista ortodoxa”. “Só queremos proteger as crianças”.

O Kremlin ficou atento às manifestações. Historicamente, as questões ecológicas têm o poder de desencadear conflitos com graves consequências. Após o desastre nuclear em Chernobyl, os protestos dos ambientalistas tiveram uma grande influência nos acontecimentos do final da era soviética. As manifestações contra a destruição da floresta de Khimki, ao norte de Moscou, foram o estopim das enormes passeatas na capital em 2011 e 2012.

A Rússia não tem ainda uma infraestrutura adequada de coleta seletiva e tratamento do lixo. Mas o problema em Volokolamsk é resultado de uma decisão tomada por Vladimir Putin no ano passado. Durante seu discurso anual na Assembleia Federal, moradores da cidade próxima ao aterro sanitário de Kuchino, um dos maiores da região de Moscou, protestaram contra as condições inadequadas de manutenção do aterro.

Embora as autoridades regionais quisessem manter o aterro aberto até construírem um novo depósito de lixo, o presidente ordenou que o local fosse fechado. O lixo foi então transportado para outros depósitos na região, como Yadrovo. A decisão de Putin de transferir um problema, em vez de solucioná-lo, a fim de conquistar o apoio popular de uma minoria, criou uma situação ainda mais difícil para o governo.

Informações: http://opiniaoenoticia.com.br