Poluição de São Paulo vira obra de arte na Somerset House, em Londres

Professor Resíduo
02:00:PM - 24/Apr/2018
Poluição de São Paulo vira obra de arte na Somerset House, em Londres
Eve Martins dos Santos

A instalação "Pollution Pods", do artista Michael Pinsky, em cartaz no centro cultural Somerset House, em Londres

24/04/2018| 14h00

Artista Michael Pinsky monta instalação que simula o ar de algumas metrópoles do mundo

A poluição de São Paulo virou parte de uma obra de arte no centro de Londres.

Para marcar o Dia Mundial da Terra, celebrado no último domingo, o artista Michael Pinsky montou na capital britânica a obra "Pollution Pods" (cápsulas de poluição, numa tradução livre).

Trata-se de uma instalação que permite que as pessoas experimentem a sensação de respirar o ar poluído de algumas das maiores metrópoles do mundo.

A obra é composta de cinco bolhas de plástico em tamanho gigante que são interligadas e distribuídas em forma de círculo.

Quatro delas reproduzem as características do ar, dos cheiros e da temperatura nas cidades de São Paulo, Londres, Nova Déli e Pequim. A outra bolha imita o ar puríssimo da ilha da Tautra, no norte da Noruega.

Erguida no pátio de Somerset House, uma mistura de galeria e centro cultural num prédio histórico às margens do rio Tâmisa, Pollution Pods convida os visitantes a entrar e atravessar as cinco bolhas, comparando a qualidade do ar que respiram em cada uma delas.

Pinsky quis, com a obra, promover um debate sobre o impacto das ações humanas no meio ambiente e os efeitos do aquecimento global.

Ele contou com a ajuda de cientistas para recriar as condições de cada uma das cidades, variando no interior de cada cápsula os níveis de ozônio, material particulado, dióxido de nitrogênio e monóxido de carbono, entre outros gases.

Computadores mostram os níveis dessas substâncias, realmente parecidos com os registrados em cada uma das metrópoles.
Mas, segundo o artista, sem perigo para a saúde, já que se fica pouco tempo em cada bolha.

A instalação "Pollution Pods", do artista Michael Pinsky, em cartaz no centro cultural Somerset House, em Londres - Eve Martins dos Santos.

Entra-se na instalação pela melhor parte: respirando-se o ar puro da ilha norueguesa. Ali, tudo é tão confortável que se chega a sentir um cheiro suave do próprio plástico usado para a construção da bolha, a baixa temperatura e mais nada.

Na sequência, todos os visitantes passam pelas cápsulas que representam Londres (que conta com grande concentração de dióxido de nitrogênio por causa da grande frota de veículos a diesel), Nova Déli (muito quente e com muito material particulado) e Pequim (índices altos de quase tudo, o que incomoda bastante e é — como na vida real— a pior de todas as experiências).

A obra termina exatamente na bolha de São Paulo.

Lá, achei que me sentiria em casa. De cara, um erro na grafia do nome da cidade: “São Paolo“, dizia a placa...

Ignorei a bobagem e decidi então ficar lá alguns minutos. Fechei os olhos e tentei me imaginar no simpático bairro da Lapa, onde cresci. Só consegui ficar com um pouco de dor de cabeça.

Mas acabei agradecendo a Pinsky por não ter incluído no pacote o repugnante fedor do rio Tietê em dias quentes. Essa sim teria sido uma experiência insuportável para qualquer um naquele ambiente fechado.

A obra já foi apresentada uma vez na Noruega. Agora, veio a Londres —mas fica por aqui só até amanhã.

Espera-se que Pinsky ainda leve a instalação às outras três cidades que fazem parte da mostra.

Assim, o paulistano também poderá comparar o desastre ambiental que a humanidade vem causando em todos os continentes.

E morrer de inveja da Noruega.

Informações: Folha de SP