Viana do Castelo transforma mais de 12 mil toneladas de lixo em adubos

Professor Resíduo
03:00:PM - 31/May/2018
Viana do Castelo transforma mais de 12 mil toneladas de lixo em adubos
Atitudes Sustentáveis

31/05/2018| 15h00

Os serviços municipalizados de Viana do Castelo vão iniciar em julho a distribuição de 'kits' de compostagem para transformar em adubos naturais as mais de 12 mil toneladas de resíduos anualmente depositadas em aterro, informou dia 30/05 a autarquia.

Em causa está o projeto "Viana Abraça", orçado em mais de um milhão de euros, que vai para o terreno entre julho e dezembro, para "distribuir, gratuitamente, porta a porta, 3.600 'kits' a cidadãos que possuam habitações com um pequeno jardim ou quintal".

Para anunciar o arranque do projeto, o município lançou dia 30/05 uma campanha de sensibilização nas redes sociais, informando que, "em 2017, foram depositados em aterro 12.084 toneladas de resíduos depositadas que correspondem a 72 milhões de bolas de Berlim ou 2,5 vezes o navio Gil Eannes".

"De acordo com um estudo realizado em 2017, a maior parte dos vianenses manifestou a intenção de começar a fazer compostagem de resíduos. A compostagem é uma prática simples que transforma os resíduos orgânicos em adubo natural", explica a campanha no dia 30/05.

Contatado pela agência Lusa, o presidente do conselho de administração dos Serviços Municipalizados de Saneamento Básico de Viana do Castelo (SMSBVC), Vítor Lemos, “adiantou que foram investidos 1,072 milhões de euros na compra de 7.500 'kits' de compostagem, que serão distribuídos até 30 de junho de 2020".

"Este ano, entre julho e dezembro, vão ser distribuídos 3.600 'kits' aos cidadãos", referiu Vítor Lemos.

O projeto "Viana Abraça" integra um investimento global de 5,3 milhões de euros, a realizar até 2020 para colocar 35.500 famílias do concelho a fazer compostagem e recolha seletiva de biorresíduos alimentares.

O investimento surge na sequência da aprovação de uma candidatura ao Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (PO SEUR).

Do montante, 4,2 milhões de euros representam a coparticipação daqueles fundos comunitários e 1,1 milhões de euros são suportados pelo município de Viana do Castelo.

Em 2016, quando da apresentação daquele investimento, Vítor Lemos, que é também vice-presidente da Câmara Municipal, explicou que o objetivo do projeto é atingir as novas metas comunitárias de reciclagem previstas no Plano Estratégico para os Resíduos Urbanos (PERSU) para 2020.

Uma das duas componentes da ação, destinada às zonas rurais, prevê a distribuição, por 13.500 fogos, cerca de 50% do total de fogos existentes em área rural, de igual número 'kits' para compostagem urbana.

Já na área urbana, o projeto cobrirá a totalidade dos 22.000 fogos habitacionais existentes, através da distribuição do mesmo número de contentores domésticos para armazenamento temporário dos biorresíduos alimentares e da instalação de 480 contentores para a descarga coletiva.

O projeto prevê ainda a criação de uma plataforma informática 'online' "onde cada munícipe poderá ter acesso ao seu contributo ambiental pela utilização destes equipamentos", especificou.

No âmbito deste projeto serão ainda adquiridas duas viaturas, "com capacidade para 25 metros cúbicos que irão permitir ganhos de eficiência na recolha e transporte dos biorresíduos alimentares".

O projeto inclui ainda ações de sensibilização e educação ambiental a realizar junto das famílias e dos estabelecimentos escolares do conselho "com vista à alteração de comportamentos no que diz respeito ao tratamento dos resíduos".

Informações: https://www.dn.pt/