Coleta seletiva se torna fonte de renda para catadores de lixo, em Três Rios, RJ

Professor Resíduo
01:00:PM - 13/Jul/2018
Coleta seletiva se torna fonte de renda para catadores de lixo, em Três Rios, RJ
Vídeo

Cooperativa de catadores de lixo participa de coleta seletiva em Três Rios, RJ

13/07/2018| 13h00

De acordo com pesquisa, 4 em cada 10 brasileiros não separam o lixo.

A cidade de Três Rios, no Sul do Rio de Janeiro, conta com uma cooperativa de catadores de lixo reciclável desde janeiro deste ano. São oito pessoas que trabalhavam no lixão da cidade e que agora estão formalizadas e com renda própria.

"A renda ainda não está boa porque somos novos, agora que começou a anunciar, divulgar o nosso trabalho, mas, se Deus quiser, a gente vai chegar lá," explicou a catadora Adriana de Fátima Lopes.

No galpão onde a cooperativa de coleta seletiva funciona há sete meses o material reciclável é separado. O plástico, o papelão e as garrafas pet que antes levariam anos para se degradarem na natureza, agora serão reaproveitados.

"A gente arrecadando na rua está melhorando muito a cidade. Está ajudando muito o meio ambiente e ajudando a gente também, com certeza," comentou a catadora Ana Paula Justino.

O que é lixo para muita gente se transforma em fonte de renda para os oito catadores da cooperativa. A cada quilo de papelão eles arrecadam R$ 0,33. Parece pouco, mas o volume de material é muito grande, aproximadamente oito toneladas por mês, o que gera uma renda de mais de R$ 2 mil só com este material.

"Vira renda e ele é refeito novamente, né. Vai para as fábricas e eles fazem outra matéria-prima pra poder ser reutilizado," comentou o presidente da cooperativa, Sidclei Esteves Pereira.

Muita gente conhece os benefícios da reciclagem, mas nem todo mundo coloca em prática. O Ibope tentou medir o nível desta consciência no estado através de uma pesquisa, e segundo o levantamento 96% das pessoas sabem da importância da reciclagem para o meio ambiente, mas só 72% delas separam o reciclável. A pesquisa mostrou também que 49% das pessoas não separam o lixo orgânico, ou seja, os restos de comida, do material que é reaproveitável.

A pesquisa fala ainda sobre a consciência do que é reciclável, só 3% sabem que as caixas de leite podem ser reaproveitadas. O índice melhora quando o assunto é o plástico, o vidro, o papel e o alumínio. Mais 65% dos entrevistados não sabem para onde levar o material.

"As pessoas sabem do benefício da reciclagem e ainda assim porque não separam? Então nós estamos lidando hoje com uma cooperativa que é formada por catadores, pessoas de baixa renda, que estão hoje formalizados, trabalhando com dignidade dentro de um galpão. Então, mostrar isso para a população, acho que você consegue abraçar muito mais pessoas," explicou Alice Hagge, secretária do meio ambiente em Três Rios.

Informações: G1