Cidade gaúcha é a mais limpa do Brasil

Professor Resíduo
04:00:PM - 06/Sep/2018
Cidade gaúcha é a mais limpa do Brasil
Júlio Cordeiro / Agencia RBS

O índice médio de reciclagem de lixo no Brasil não passa dos 3,7%

06/09/2018| 16h00

Três municípios do Estado estão entre os dez que melhor tratam seus resíduos sólidos

Três cidades gaúchas estão entre as mais limpas do Brasil. Marau ficou em primeiro lugar no Índice de Sustentabilidade da Limpeza Urbana. Presidente Lucena ficou em quarto, e Não-me-Toque, em sexto. A pesquisa avalia, de acordo com as diretrizes da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), a forma como cada município brasileiro destina o lixo sólido. Cada cidade recebeu uma nota, que varia de 0 a 1 – assim como no Índice de Desenvolvimento Humano, quanto mais próximo do 1, melhor é o desempenho.

Veja o ranking das cidades mais limpas do Brasil:
 1. Marau (RS) – 0,827
2. Braço do Trombudo (SC) – 0,827
3. Sapucaí-Mirim (MG) – 0,824
4. Itapiranga (SC) – 0,820
5. Presidente Lucena (RS) – 0,817
6. Não-me-Toque (RS) – 0,812

No ano passado, o campeão foi Nova Esperança, no Paraná, seguido por Angelina, em Santa Catarina, e Itaipulândia, também no Paraná. O Rio Grande do Sul ocupou o quarto e o quinto lugar, com as cidades de Severiano de Almeida e Vale Real, respectivamente.

O estudo, realizado pelo Sindicato Nacional das Empresas de Limpeza Urbana (Selurb) em parceria com a PwC Brasil, levou em conta uma série de critérios, como o IDH da cidade, a extensão da cobertura da coleta de lixo, a porcentagem da população atendida pelos serviços de limpeza urbana, a sustentabilidade financeira dos municípios – capacidade da prefeitura de arcar com os custos de reciclagem, os estímulos financeiros feitos para a mudança comportamental da população, o percentual de lixo reciclado, o percentual do lixo destinado incorretamente – para lixões, e se existe alguma taxa voltada para a limpeza urbana.

Os resultados mostram que a região sul do país é a que melhor aderiu à PNRS. Entre as cidades com mais de 250 mil habitantes, outros dois municípios do Rio Grande do Sul também se destacam: Caxias do Sul e Canoas. A lei federal, promulgada há oito anos, prevê diretrizes para o desenvolvimento sustentável de acordo com as Nações Unidas. Se continuarem no ritmo atual, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná vão conseguir reduzir o impacto ambiental do lixo sólido produzido oito anos antes da meta estabelecida pela ONU, datada de 2030.

Dentre as cidades brasileiras pesquisadas, 76% têm acesso à coleta domiciliar de lixo. No entanto, o país ainda tem grandes desafios quando o assunto é sustentabilidade. O índice médio de reciclagem no Brasil não passa dos 3,7%.

Informações: https://gauchazh.clicrbs.com.br