MS: com aterro sanitário no próprio município, economia pode chegar até R$ 900 mil

Professor Resíduo
08:30:AM - 28/Nov/2018
MS: com aterro sanitário no próprio município, economia pode chegar até R$ 900 mil
(Foto: Vanderi Tomé)

28/11/2018| 08h30

Com boa parte da estrutura do aterro sanitário já implantada, a expectativa é de quem em 2019 entre em funcionamento o aterro sanitário, em Sidrolândia/MS, na saída para Quebra Coco. O custo da coleta e destinação do lixo será barateado, com a eliminação da despesa com o transporte (em torno de R$ 30 mil por mês) até Campo Grande onde é despejado no aterro sanitário com o custo de R$ 157,70 a tonelada.

A projeção é que o descarte do lixo em Sidrolândia custe quase 30% mais barato, R$ 110,00 a tonelada, reduzindo em R$ 40 mil, de R$ 132.468,00 para R$ R$ 92.400,00 a conta mensal. Soma-se esta economia aos R$ 30 mil do transporte até a Capital que deixará de ser feito, chega-se a uma economia mensal que será de R$ 70 mil, ou R$ 840 mil ao longo de um ano.

Nos primeiros 10 meses de 2019, a conta da coleta e de toda a logística que envolve o serviço até o descarte em Campo Grande já atingiu R$ 2.331.134,30, enquanto a receita com a taxa do lixo (cobrada junto com a conta de água) chegou a R$ 1,835 milhão.

Só a Solurb CG, empresa proprietária do aterro sanitário, somou de pagamentos até o final do mês de outubro R$ 515 mil. Já a Morhena Ambiental, que coleta o lixo e o transporta até Campo Grande, faturou R$ 1.634.849,96. Foram gastos R$ 57,97 mil com o tratamento do chorume (pago à Sanesul) e R$ 102,4 mil, despesa referente à coleta de lixo do Hospital Elmiria Silvério Barbosa e nas unidades de saúde.

Informações: site de notícias Região News, http://www.diariodigital.com.br