Barco feito de resíduos percorrerá costa africana conscientizando sobre o lixo dos oceanos

Professor Resíduo
02:00:PM - 16/Jan/2019
Barco feito de resíduos percorrerá costa africana conscientizando sobre o lixo dos oceanos
ONU Brasil

16/01/2019| 13h00

O FlipFlopi é um veleiro de nove metros feito com 10 toneladas de plásticos descartáveis e chinelos de praia e o projeto foi fundado, em 2016, para promover a mensagem sobre o impacto do plástico nos ecossistemas marinhos.

A iniciativa, que conta com a parceria da campanha das Nações Unidas "Clean Seas", arranca a 24 de janeiro com uma expedição de 500 quilômetros ao longo da costa africana, entre o Quénia e Zanzibar, e com paragens em seis locais.

A campanha "Clean Seas" visa envolver governos, setor público e privado na luta contra a poluição dos plásticos no mar e conta já com o compromisso de nove países africanos.

O veleiro foi lançado ao mar, em finais de 2018, em Lamu, e segundo a diretora executiva adjunta do Programa das Nações Unidas para o Ambiente "é a prova de que é possível viver de maneira diferente".

Apenas 9% dos 9 mil milhões de toneladas de plásticos já produzidos no mundo foram reciclados.

A larga maioria dos plásticos - incluindo garrafas, tampas, embalagens de comida, sacos ou palhinhas - é produzida para ser usada uma única vez, acabando muitas vezes no mar, numa estimativa de 12 milhões de toneladas todos os anos.

A direção do projeto Flipflopi, considerou que a iniciativa tem "um papel vital" no envolvimento das populações numa nova abordagem à questão dos plásticos.

De acordo com um relatório recente sobre os limites legais ao uso de plásticos descartáveis, as Nações Unidas concluíram que 127 de 192 países adotaram algum tipo de legislação para regular o uso de sacos de plástico e que 27 países aprovaram legislação para banir produtos e materiais específicos, como pratos, copos, palhinhas.

A expedição vai começar na ilha de Lamu, no Quénia, a 24 de janeiro e deverá chegar a Stone Town, em Zanzibar, a 07 de fevereiro.

A viagem acontece um mês antes da próxima assembleia sobre o ambiente das Nações Unidas que juntará mais de 150 ministros do Ambiente em Nairobi.