Empresas globais do plástico se juntam para combater lixo nos mares. Investimento é de $ 1,5 bi

Professor Resíduo
08:30:AM - 17/Jan/2019
Empresas globais do plástico se juntam para combater lixo nos mares. Investimento é de $ 1,5 bi
iGUi Ecologia

17/01/2019| 08h30

Entre os grandes desafios ambientais que existe o plástico. A produção desenfreada de embalagens, junto aos baixos índices de reciclagem (9%) e reaproveitamento (menos de um quinto) está produzindo, literalmente, oceanos de plástico. As principais estimativas apontam que, até 2050, haverá mais plástico do que peixes nos oceanos.

A solução tem que envolver diversos stakeholders: pessoas físicas, jurídicas e também o poder público. Cerca de 30 empresas globais do setor de plástico e de bens de consumo se juntaram na quarta-feira (16/01) para propor ações em conjunto em uma nova aliança. A recém-formada AEPW – Alliance to End Plastic Waste (Aliança para o Fim dos Resíduos Plásticos) destinará mais de US$ 1,5 bilhão nos próximos cinco anos para eliminar o descarte incorreto do plástico, dando foco nos oceanos, principal destino do material. A ideia é trabalhar com quatro principais pilares: infraestrutura, inovação, educação e limpeza.

Para o CEO da LyondellBasell, o plástico tem um grande valor. A tarefa é desbloquear esse valor através da economia circular.

A Aliança já definiu algumas ações que considera essenciais para alcançar o ambicioso objetivo. Trabalhar em parceria com prefeituras, para criar sistemas integrados de gestão de resíduos; custear redes de incubadoras para desenvolver tecnologias e modelos de negócios que trabalhem ou com reciclagem ou impedindo o descarte nos oceanos; desenvolver um banco de dados global aberto e que dê suporte a todos os envolvidos na causa; e colaborar com organizações internacionais como a ONU.

Neste primeiro momento, a Aliança também dará suporte a iniciativa Renew Oceans, um programa que visa à retirada de resíduos plásticos dos 10 rios que transportam a maior parte do lixo para os oceanos. Segundo a ONG Ocean Conservancy, 80% dos resíduos plásticos que param nos oceanos começa como lixo nas cidades e a grande maioria chega aos oceanos por meio dos rios. A primeira ação da Renew será no rio Ganges, na Índia, onde se estima que 544 mil toneladas de resíduo de plástico são jogados todo ano.

Como lembra o CEO da Dow, a população usa os rios para depositar seus resíduos – por desinformação ou falta de uma coleta adequada e acessível. Inserindo o que era lixo em uma cadeia circular, damos valor financeiro ao plástico, o que pode trazer vantagens econômicas para que as pessoas que moram ali. E essa é a ideia da Renew Oceans: usar tecnologia e integrar catadores e pessoas da comunidade na cadeia do plástico, criando oportunidades para aqueles que coletam os resíduos.

Entre as empresas fundadoras da Aliança, estão: a brasileira Braskem, BASF, Dow, DSM, ExxonMobil, Henkel, LyondellBasell, Mitsubishi Chemical Holdings, Mitsui Chemicals, Procter & Gamble, Suez, Shell Chemical, Total e  Veolia e Versalis (Eni).