Caminhões carregados fazem fila por não terem onde despejar lixo no Rio

Professor Resíduo
12:00:PM - 03/Apr/2019
Caminhões carregados fazem fila por não terem onde despejar lixo no Rio
Armando Paiva / Agência O Dia

Cerca de cem caminhões ficaram enfileirados ontem em Santíssimo para descarregar detritos recolhidos

03/04/2019| 12h00

Atraso de pagamento associado ao fechamento de quatro das cinco Estações de Tratamento de Resíduos (ETRs) do Rio gerou uma fila de caminhões da Comlurb na Av. Brasil, todos a espera de um destino para os detritos coletados na terça, 02. Havia cerca de 100 caminhões enfileirados ao longo de três quilômetros, afetando o trânsito na região de Santíssimo, na Zona Oeste.

Segundo a Comlurb, a situação já foi devidamente normalizada. "Ontem à noite foram pagos R$ 2,5 milhões. Hoje serão mais R$ 7,5 milhões e, na sexta, mais R$ 20 milhões", afirmou. A soma desses valores corresponde aos R$ 30 milhões que a prefeitura prometeu quitar à empresa prestadora de serviço para que atividades sejam restabelecidas. A dívida total é de R$ 72.454.049, montante de três meses e meio de atraso nos repasses à concessionária.

Em setembro de 2018, quando a dívida ainda era de R$ 61 milhões, a prefeitura renegociou na Justiça o pagamento dos atrasados. A solução foi dividir novamente as parcelas em valores menores, mas o acordo não foi cumprido.

No último dia 20, a prefeitura deixou de pagar mais uma parcela mensal de R$ 20 milhões. O item que mais impacta nas despesas da empresa é o óleo diesel usado para movimentar mais de cem carretas de lixo. O custo mensal com o combustível é superior a R$ 1,6 milhão.

As estações fechadas ficam em Jacarepaguá, Caju, Fazenda Botafogo e Santa Cruz. A única aberta até o momento, na qual os funcionários da Comlurb aguardavam para despejar o lixo, era a unidade de Seropédica.