Mais de 300 tartarugas morrem vítimas do lixo nos Lençóis Maranhenses

Professor Resíduo
11:00:AM - 08/Apr/2019
Mais de 300 tartarugas morrem vítimas do lixo nos Lençóis Maranhenses
Número de mortes evoluiu no ano de 2018. — Foto: Reprodução/ TV Mirante

08/04/2019| 11h00

A região é um dos mais importantes berçários de várias espécies do animal, mas também é o ponto final do lixo trazido pelas correntes marinhas de várias partes do mundo.

Em 2015 cerca de 80 tartarugas foram encontradas mortas nos Lençóis Maranhenses, a 265 km de São Luís. Já em 2018, o número de mortes evoluiu para 280 e os biólogos estão preocupados com a contaminação de um micro plástico na água.

Um dos principais suspeitos da causa das mortes são os objetos plásticos, muitas tartarugas confundem com alimentos e ingerem. A bióloga Talita Espósito explica sobre a contaminação por micropartículas.

Nos Lençóis Maranhenses já foram identificados lixos de 19 países que estão se acumulando na maternidade das tartarugas marinhas. A grande quantidade de lixo está interferindo no comportamento reprodutivo dos animais.

Há três anos os biólogos identificaram pela primeira vez no Maranhão, uma tartaruga híbrida, resultado do cruzamento de duas espécies diferentes, a tartaruga verde e a oliva. Desde então o número de animais híbridos não para de crescer.

Em 2018, cientistas coletaram amostras para identificação molecular de 21 animais na região, dentre eles, cinco eram híbridas. Uma bióloga explica o motivo do surgimento de espécies híbridas. “Como está aumentando a mortalidade, o macho de uma espécie pode não encontrar uma fêmea de sua espécie e aí reproduz com a fêmea de outra espécie”, contou.

Os biólogos afirmam que as tartarugas híbridas são mais frágeis e temem que a sua multiplicação acabe aumentando o número de mortes.